A gestão de uma empresa através de Indicadores Financeiros

A gestão de uma empresa através de Indicadores Financeiros

Tempo de leitura: 5 minutos

“Com base na contabilidade é possível se extrair análises e indicadores das demonstrações. Assim, através da comparação e interpretação dessas demonstrações financeiras é viável se obter informações que permitem um melhor diagnóstico da situação econômica e financeira do negócio.”

Muito se fala sobre a importância da contabilidade na gestão de negócios, porém ainda é pouco utilizada para a tomada de decisões. Isso ocorre por alguns motivos que levam os gestores a não utilizarem essas importantes informações. Um deles é o próprio desconhecimento. Outro, se refere à qualidade, totalidade e tempestividade dos dados disponibilizados para o profissional da área.  

Além disso, os gestores, muitas vezes, dedicam muito tempo para a operação do negócio, deixando de lado o cuidado que se faz necessário na gestão da empresa. Diante disso, apresentaremos, a seguir, de forma objetiva, as ferramentas que a contabilidade nos oferece e como utilizar os dados que ela organiza.

A contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio das organizações. Assim, possui suas Demonstrações obrigatórias, que são: Balanço Patrimonial; Demonstração do Resultado do Exercício; Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados; Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido; Demonstração dos Fluxos de Caixa; Demonstração do Valor Adicionado; e Demonstração do Resultado Abrangente, além de suas Notas Explicativas.

Ainda com base na contabilidade, é possível se extrair análises e indicadores das demonstrações, os quais mostraremos na forma de indicadores econômico-financeiros. Esses indicadores, além de demonstrarem o passado das empresas, servem para realizar projeções que auxiliarão no planejamento orçamentário e tributário, ademais de possibilitarem que os gestores mantenham um controle real e permanente da situação financeira, fazendo com que tenham embasamento nas tomadas de decisões.

Logo, através da comparação e interpretação das demonstrações financeiras é possível se extrair informações que permitem um melhor diagnóstico da situação econômica e financeira. Como ponto fundamental para uma correta análise, em primeiro lugar, deve se ter claro quem será seu usuário: pode ser sócios, investidores, clientes, credores, entre outros, e qual a sua necessidade de extensão e detalhamento, pois,  dessa forma, será mais fácil identificar e explicar os fatores que estão interferindo nos resultados da organização.

  • Balanço Patrimonial – permite analisar e organizar as estratégias de financiamentos e investimentos, além de identificar a liquidez e endividamentos.
  • Demonstração de Resultados do Exercício – podemos calcular as margens de lucros, e ainda produzir informações relevantes, como os indicadores de rentabilidade (ROA, ROE, ROI), prazo médio de estocagem, prazo médio de pagamento, prazo médio de recebimento, giro dos ativos e custo de dívidas.

Alguns dos métodos de análises utilizados são as Análises Vertical e Horizontal.

  • Análise vertical – indica resultados em efeito cascata. Ou seja, analisa o que acontece de cima para baixo, ou de baixo para cima, e é utilizado para obter a porcentagem de contas e sua evolução ao longo do tempo.
  • Análise horizontal – baseia-se em comparativos de resultados de um mesmo indicador em relação a períodos anteriores. Nessa análise, se faz necessário no mínimo dois exercícios para que haja a comparação, permitindo, assim, identificar suas tendências.

Além das Análises, a contabilidade permite obter conclusões através de Indicadores Econômicos e Financeiros, que veremos a seguir de forma resumida.

  • Índice de Liquidez – permite que se verifique a capacidade que a entidade tem de honrar seus compromissos diários. Ou seja, a facilidade de um ativo ser convertido em dinheiro para cumprir com todas as suas obrigações.

Os índices mais utilizados dentro de uma empresa são: Capital Circulante Líquido, Índice de Liquidez Geral, Índice e Liquidez Corrente e Índice de Liquidez Seca.

Temos ainda os Indicadores de Endividamento ou de Estrutura de Capital. Eles indicam o nível de endividamento e suas garantias para solver suas dividas, seja a curto ou longo prazos. As contas mais analisadas desse índice são as do Passivo e do Patrimônio Liquido, o que quer dizer os recursos da empresa. Esses indicadores analisam os efeitos da alavancagem financeira sobre os resultados e, principalmente, sob o risco da empresa.

Os índices de endividamento são divididos em quatro: Coeficiente de Dívidas Circulantes, Coeficiente de Dívidas Totais, Coeficiente de Dívidas de Longo Prazo e Coeficiente de Segurança Máxima.

Temos ainda os Indicadores de Lucratividade, que são utilizados para comparar tipos variados de resultados da uma organização em um determinado período. É medido quantitativamente através de um cálculo simples, e tem o objetivo de facilitar as análises para que as entidades gerem retornos satisfatórios. 

Os indicadores que compõem a lucratividade são: Coeficiente de Margem de Lucro Operacional Bruto; Coeficiente de Margem de Lucro Operacional Líquido e Coeficiente de Margem de Lucro Líquido do Exercício.

Por fim, temos os Indicadores de Rentabilidade. Eles demonstram através de percentuais de remuneração de seus diversos tipos de capitais e ou outros fatores de remuneração da organização no qual se faz a mensuração e a análise de determinado período, obtendo, assim, uma informação confiável. Esses indicadores, além de demonstrarem o passado das empresas, servem para projetar situações futuras, que irão auxiliar no planejamento orçamentário, tributário e no desempenho das organizações. Através do uso das técnicas disponibilizadas pela contabilidade é possível conhecer a realidade da entidade e, com isso, decisões, projeções e orçamentos, o que significa dizer que os Planos Estratégicos terão maior chance de assertividade.

Infelizmente, os indicadores financeiros ainda são muito pouco analisados pelo gestor das empresas, em especial às de médio e pequeno portes. E é justamente nestas organizações que o índice de mortalidade ocorre. Logo, é de fundamental importância que os empresários olhem para esses indicadores e os utilizem em suas tomadas de decisões, sendo, assim, mais assertivos em suas ações.

  • Evanir Aguiar dos Santos
  • Diretor Operacional da Fortus Group
  • CRCRS 067.715/O-4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *