Mesmo com atualização para 2022, tabela que atualiza IR está com mais de 120% de defasagem

Mesmo com atualização para 2022, tabela que atualiza IR está com mais de 120% de defasagem

Tempo de leitura: 1 minuto

Conforme avalia Evanir Aguiar dos Santos, diretor Operacional da Fortus Group, a tabela do Imposto de Renda (IR) deveria, por lei, ser atualizada anualmente pelo índice atual e oficial da inflação. Isso, visto que tem uma desvalorização da renda ao longo do tempo, e, muitas vezes, os salários são corrigidos em negociações com as empresas, havendo assim uma retificação salarial, normalmente pela inflação oficial do país. Desta forma, falar sobre atualização é falar sobre uma obrigação quase que moral que o governo deveria fazer todos os anos.

Ele ressalta ainda que até setembro de 2021, mediu-se que a defasagem na tabela do IR é mais do que 120% em relação à inflação. Assim, hoje é isento quem ganha pouco mais de R$ 1.900,00, sendo que deveria estar desobrigado a declarar quem percebe na faixa de R$ 4.500,00. E não estamos falando de um benefício, e sim de uma atualização ao longo do tempo.

“É um absurdo taxar IR para quem ganha pouco mais de um salário mínimo e meio, como é o caso hoje. Para que o contribuinte não fosse penalizado, deveria ter uma lei que tornasse automática a atualização da tabela com base no índice de inflação do ano anterior. É o mínimo que o governo deveria fazer”, afirma Evanir.

Ainda segundo o diretor Operacional da Fortus Group, o grande absurdo nessa minirreforma tributária é o governo vincular a atualização de uma tabela com mais de 120% de defasagem a aumentos tributários de outras áreas. “É um despropósito vincular a atualização a outros tributos, porém isso foi exatamente o que aconteceu”, frisou.